SESCOOP no Estado de São Paulo
Serviço Nacional de Aprendizagem
do Cooperativismo

 
 
           Login:      Senha:    
 
  
   
 
 

Institucional
Serviços
Programas e Projetos
Cursos e Eventos
Coopero por um Mundo Melhor
Canais de Comunicação
 
  

Empatia é foco em Workshop de Inclusão do Sescoop/SP
08/11/2018

A capacidade de compreender os estados emocionais de outra pessoa, analisá-los e respondê-los de forma adequada e proporcional é o que chamamos de empatia. De forma simplificada é o ato de se colocar no lugar do outro e entender uma situação com aquele ponto de vista.

Não foi à toa que esse conceito foi uma das principais ideias abordadas durante a 6ª edição do Workshop de Inclusão Social no Cooperativismo, que teve como tema o “Desenvolvimento Humano Sustentável para o trabalho e a cidadania”, baseado nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

O assunto foi abordado na oficina do Grupo Carlotas, especializado em diversidade. “Por serem profissionais de cooperativas, os participantes já possuem uma visão diferenciada para a diversidade e a colaboração. Nós tratamos da empatia e isso fez muito sentido na atuação deles, já que trabalham em situações de diferenças socioeconômicas. Há muita clareza da empatia no dia a dia de trabalho deles”, analisa a gestora de projetos do Carlotas, Andréa Rissardo.
 
“A metodologia teve como objetivo fazer com que o participante utilizasse a empatia para pensar em soluções aos desafios de inclusão, lançando mão de sua capacidade de compreender a situação-problema sob a perspectiva do outro”, explica o analista de Projetos Sociais do Sescoop/SP, Eduardo Nishida.

Para isso, foram evidenciados elementos comuns à realidade de uma parcela significativa da população e que, via de regra, são apresentados como obstáculos à inclusão social: deficiência, idade, escolaridade, situação financeira e familiar etc. “Ao nos colocarmos no lugar do outro, podemos enxergar inúmeros elementos implícitos que podem não ser considerados quando se analisa o currículo de um candidato com deficiência ou de um jovem residente na periferia da cidade. Contudo, uma oportunidade pode fazer com que essas mesmas pessoas desenvolvam seu potencial e se mostrem tão ou mais capazes do que se imaginava. Ao mesmo tempo, além de promovermos sua inclusão, contribuímos para a redução da desigualdade social”, complementa Nishida.

Tratar atualmente da retenção e desenvolvimento desses profissionais, segundo o gerente de Formação Profissional do Sescoop/SP, Alexandre Ambrogi, é resultado do sucesso das edições anteriores do Workshop. “Nas três primeiras edições, nosso evento precisava ser pautado na conscientização das cooperativas para a importância da inclusão de aprendizes e pessoas com deficiência. Hoje em dia, já podemos pensar além e promover o debate sobre a retenção desses profissionais e seu crescimento no ambiente de trabalho”, destaca.

Inclusão social x Desigualdade
Ainda no contexto da empatia, o Workshop promoveu diversas discussões sobre a desigualdade social, com palestras do Movimento Acredito, que atua pela educação e seu papel transformador no Brasil, e do jornalista e escritor Caco Barcellos.

A recém-eleita deputada estadual Tabata Amaral participaria do evento, mas, devido a um evento internacional, teve que ser representada pelo coordenador do Acredito, Emílio Melo, que abordou maneiras de os ODS gerarem oportunidades para jovens e pessoas com deficiência.

Já Barcellos focou sua fala na importância de se olhar para a desigualdade social brasileira, na palestra "Problemas Sociais da Atualidade – violência, ética, educação e cidadania", e ressaltou o momento que o Brasil está vivendo de polarização e a importância de se pensar na inclusão para além disso.

O chefe do “Profissão Repórter” também foi responsável por conduzir o talk show "Cooperativas e os ODS - Desenvolvimento Humano e Inclusão Social", que apresentou os cases de inclusão da Cooperativa Vinícola Aurora, Coop e Unimed Rio Claro.

A coordenadora de Educação Corporativa da Coop, Andréia Maia, representou a cooperativa no painel e considera que as pessoas colocam muita dificuldade na contratação, quando na verdade não há mistério. “O principal é ter boa vontade e empatia, como discutimos aqui hoje. Nós temos que nos colocar no lugar desses profissionais jovens e com deficiência para entender suas necessidades e, desta forma, dar condições para que eles se desenvolvam”, pondera.

Homenagens
Por mais um ano, o Workshop foi palco para homenagens do Sescoop/SP às cooperativas que mais atuaram pela inclusão social no último ano. Foram 11 homenageadas: seis pelo programa Aprendiz Cooperativo e cinco pelo Cooperativa Inclusiva.

Uma das cooperativas homenageadas foi a Unimed Limeira, participante do talk show, que na homenagem foi representada pela analista de Recursos Humanos, Leila Camargo. “Ficamos lisonjeados com o reconhecimento, principalmente porque acabamos de iniciar esse trabalho. Começamos com o curso de Libras e não imaginamos onde íamos chegar. Ainda temos muito o que fazer, mas foi muito positivo já receber esse reconhecimento do trabalho”, conta.

A Unimed Capivari foi outra homenageada, representada pela coordenadora de Desenvolvimento Organizacional, Patricia Jeronymo. “Participar deste evento amplia horizontes. Nós ficamos focados em um modelo engessado e compartilhar cases e experiências é muito importante para multiplicarmos o que já dá certo e termos insights para novas propostas”.

Confira todas as cooperativas que foram homenageadas:

Cedrap
Ceroc
Sicoob Uniguarulhos       
Unimed de Capivari                  
Unimed de Tatuí
Cervam
Unimed São José do Rio Preto
Unimed de Rio Claro
Unimed de Sorocaba
Uniodonto de Votuporanga
Unimed de Ribeirão Preto

 


  
  
 
 
© Todos os direitos reservados ao SESCOOP/SP. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.