SESCOOP no Estado de São Paulo
Serviço Nacional de Aprendizagem
do Cooperativismo

 
 
           Login:      Senha:    
 
  
   
 
 

Institucional
Serviços
Programas e Projetos
Cursos e Eventos
Coopero por um Mundo Melhor
Canais de Comunicação
 
  

ACI divulga mensagem para o Dia Internacional da Mulher
07/03/2018

Nesta quarta-feira, 7, a Aliança Cooperativa Internacional (ACI) divulgou uma declaração oficial sobre o Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março. No texto, a presidente do Comitê de Igualdade de Gênero da ACI, María Eugenia Pérez Zea, fala sobre a importância do ativismo e do cooperativismo pela equidade de gênero. Leia na íntegra abaixo.

O ativismo pelos direitos das mulheres e da igualdade de gênero faz parte da história do nosso movimento cooperativista.

A famosa "Rochdale Society of Equitable Pioneers", na Inglaterra, líder do cooperativismo moderno, também foi pioneira em seu tempo, permitindo que homens e mulheres fossem membros dessa organização desde o início.

Nesse grupo, o papel de uma ativista é especialmente reconhecido e abria portas para transformar a vida de muitas mulheres, incluindo a tecelã Eliza Brierley. Em março de 1846, Eliza tomou medidas para se tornar membro integral da cooperativa, em uma época em que as mulheres eram "de propriedade" de seu pai ou marido, não tinham direitos legais ou civis e eram excluídos da participação econômica igualitária na sociedade.

Hoje, apesar das muitas conquistas na defesa dos direitos das mulheres, a história não tem misericórdia de nós por todos os esforços e ainda há um longo caminho a percorrer. Dentro do movimento cooperativista, devemos continuar trabalhando para capacitar as mulheres e ouvir suas vozes.

É por isso que este ano a Aliança Cooperativa Internacional (ACI) reúne novamente a comemoração do Dia Internacional da Mulher, patrocinado pela Organização das Nações Unidas (ONU), consciente de que este é o momento de realmente ouvir as vozes das mulheres, de todas as áreas, seja urbana ou rural.

Nós, nas cooperativas, temos a tarefa de melhorar nossa capacidade de capacitar as mulheres, colaborando com a sociedade civil e apoiando a voz de nossas ativistas nos processos de conscientização social e formulação de políticas.

O papel indubitável e poderoso que as ativistas cooperativas rurais desempenharam na geração de melhores condições para elas e suas famílias no campo deve ser observado, como também deve ser enfatizada sua contribuição para o progresso do cooperativismo.

No entanto, não podemos esquecer a existência de muitas mulheres "invisíveis" nas áreas rurais, ligadas às fazendas agrícolas e pecuárias sem ter uma relação legal ou administrativa com elas, e para as quais seu trabalho nas explorações agrícolas é considerado "apoio à família".

É por isso que precisamos das ativistas. Quando milhões de mulheres se juntam, surgem milhões de histórias para tornar visíveis as situações que nos impedem de alcançar a equidade de gênero; milhões de rostos mostram ao mundo a violação do seu direito, como eles são subestimados e estigmatizados, e milhões também podem atuar para transformar realidades altamente prevalecentes e prevalentes, como violência sexual e assédio.

Como o fato de que uma em cinco mulheres e meninas entre 15 e 49 anos de idade já sofreu violência física ou sexual de um parceiro no último ano em todo o mundo e que 49 países ainda não possuem leis que protegem a população feminina desse tipo de violência; que 37 países libertam legalmente estupradores de toda responsabilidade se forem casados ​​com a vítima; que em 18 países os maridos podem legalmente impedir que suas esposas trabalhem; que 750 milhões de meninas e jovens se casaram antes de atingir os 18 anos de idade; que pelo menos 200 milhões de mulheres e meninas em 30 países sofreram mutilação genital; que mais de 50% das mulheres e meninas dos setores urbanos dos países em desenvolvimento não têm água limpa, instalações sanitárias ou espaço suficiente para viver; ou que 15 milhões de meninas de idade escolar nunca terão a oportunidade de aprender a ler ou escrever na escola primária, entre outras realidades que devíamos ter transformado até agora.

Os Objetivos de Desenvolvmento Sustentável (ODS) ressaltam a enorme necessidade de capacitação das mulheres e igualdade de gênero como requisito para alcançá-las. Mas os passos para esses objetivos são muito hesitantes em quase todos os países. A discriminação permanente de gênero impede que as comunidades, especialmente as mulheres, alcancem todo seu potencial para atingir esses objetivos.

É por isso que cada vez mais milhares de mulheres em todo o mundo estão tomando posse de diferentes áreas da vida, inclusive no ambiente virtual, denunciando desigualdades e violência, conscientizando o resto do mundo para melhorar suas condições de vida, bem como a abertura a discussão de tópicos que não são facilmente visíveis e de interesse comum.

Então, este é o momento de apoiá-las. Nossos ativistas precisam de nós. As cooperativas devem continuar promovendo seu empoderamento, eliminando as barreiras para aumentar suas vozes e providenciando o apoio coletivo de um movimento que agrupa mais de mil e duzentos milhões ao redor do mundo.

Este é um momento histórico que pede uma redefinição de estereótipos de poder e liderança para as mulheres.

As consequências negativas da desigualdade são sofridas por toda a humanidade e alcançar a equidade efetiva é um imperativo social e econômico que deve ser travado não só pelas mulheres, mas também pelos homens. A igualdade é sinônimo de progresso, mas é algo que deve ser feito, incluindo o outro; a igualdade está avançando sem deixar ninguém para trás.


  
  
 
 
© Todos os direitos reservados ao SESCOOP/SP. Este material não pode ser publicado,
transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.